13ª

Ministério do turismo, secretaria especial da cultura e belgo bekaert arames apresentam

Cine Favela

R. do Pacificador, 288 - Cidade Nova Heliópolis, São Paulo - SP, 04235-230

Fachada do Cine Favela.

 

Rua do Pacificador.

Parte interna do cinema.

Hoje tem filme? É a frase mais dita na entrada desse espaço modesto que, desde 2004, produz e difunde a cultura do cinema na comunidade de Heliópolis, a maior favela da cidade de São Paulo. No início de 2020, em uma atividade didática com meus alunos do curso de arquitetura, o nome da rua (do Pacificador) e o letreiro da fachada nos chamou a atenção: Cinema? Cinema de rua são lugares tão escassos em São Paulo, que merecem uma festa quando os encontramos. 

Entramos e o Reginaldo, um dos fundadores do cinema, nos recebeu, apresentou o espaço e nos convidou para voltar. Esse retorno demorou, mas aconteceu depois de dois anos, uma pandemia e muitas dificuldades para a comunidade, que se estruturou e se organizou para enfrentar coletivamente esse período. O Cine Favela resistiu. Retomou suas atividades educativas, as sessões de cinema e me lembra da potência que tem a arte, independentemente da sua escala. 

Além das sessões de cinema, o Cine Favela promove oficinas de teatro, capoeira, dança, produção de cinema, tecnologias digitais e viagens turísticas, sempre democratizando seus públicos, que são crianças, jovens, adultos e idosos.

Quer conhecer mais? A dica é o Festival Cine Favela de Cinema, o maior evento dedicado ao cinema periférico do mundo e realizado pela primeira vez em Heliópolis, em 2004. O evento é responsável pela difusão da cultura nascida nas periferias e exibe apenas produções realizadas por ONGs, associações, coletivos, estudantes e produtores independentes.

Reginaldo de Túlio, um dos fundadores do Cine Favela.

 

Kanu, Francisco Gomes Alves, educador físico e professor de capoeira no Cine Favela.

 

Oficina de uso de câmeras, 2018 [Foto: Cine Favela].

Festa no Cine Favela [Foto: Cine Favela].