13ª

Ministério do turismo, secretaria especial da cultura e belgo bekaert arames apresentam

Largo de São Francisco

Sé, São Paulo - SP, 01005-010

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Criada em 1827, é, junto com a Faculdade de Direito do Recife, uma das universidades mais antigas do país mais. Conhecida como SanFran, a instituição se localiza no Largo São Francisco, região central da cidade de São Paulo, área já ocupada desde 1647 pela Igreja e Convento de São Francisco. Poderíamos falar muito mais sobre essa instituição muito tradicional da cidade, porém essa história já é bastante contada por aqueles que detém o poder de contar suas histórias.

Ainda assim, não podemos deixar de falar sobre esse território e tudo que ali está e já esteve, e dele como se conecta com os corpos que por ali passaram em diversas épocas da vida da cidade de São Paulo.

Havia uma época em que o sino da Igreja de São Francisco servia para marcar o horário de início de um leilão, que acontecia na Ladeira da Memória. Sim, um leilão, mas não um leilão qualquer, um destinado a vender pessoas escravizadas. Isso mesmo, os sinos de uma igreja marcavam o horário para a venda de pessoas. Com o passar do tempo, sua importância na região foi mudando, principalmente após a inauguração da universidade, tornando aquela área um grande lugar de formação das elites que se consolidaram no país. Com isso os usos do espaço público mudaram, abriram-se cafés onde os estudantes podiam se alimentar e travar debates sobre liberdade, república e direitos humanos, enquanto ruas acima funcionava uma cadeia, um tribunal, um pelourinho e, mais adiante, uma forca. Em registros deixados em crônicas e diários feitos pelos alunos, há informações que se tentou apagar das histórias de São Paulo, que nos contam sobre uma das maiores personagens da cidade: Maria Punga, uma mulher, negra, livre, que viveu durante o século XIX, e que foi empreendedora, dona de seu próprio café, um dos primeiros da cidade. Uma história apresentada, como imagem e narrativa, nas mãos brancas dos imigrantes, escondendo o grande trabalho das mãos pretas nas plantações e dos comércios pretos, como o de Maria Punga, na pulsão deste território chamado de São Paulo. Por falar em mãos, mentes e potência negra, na construção da sociedade paulistana, ainda em relação ao Largo São Francisco, não poderíamos deixar de falar do grande Dr. Luis Gama, um dos maiores, se não o maior, advogado da história do Brasil. Muitas vezes, porém, não se conta que não lhe foi permitido receber seu diploma ou estudar como um aluno regular da instituição. Gama acompanhou as aulas apenas como ouvinte, e mesmo assim, atuou em diversos casos, libertando mais de 500 pessoas do trabalho escravo. Após cem anos de sua morte, a universidade lhe concedeu o diploma, como homenagem a sua história.

Informações:

Largo São Francisco, 95 – Centro, São Paulo – SP, 01005-010.

Academia de Direito fundada após a independência do Brasil em 1827, agora parte da Universidade de São Paulo.

Trajeto a partir do CCSP: 

(link)