Select Page

PROGRAMAÇÃO

Travessias – 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo
27 de maio a 17 de julho de 2022
Entrada gratuita

CONTATO
13bienal@bienaldearquitetura.org.br
bienaldearquitetura.org.br
Agendamento de visitas em grupo via e-mail: educativo@bienaldearquitetura.org.br

CCSP
Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000
Horário de funcionamento:
Terça a sexta, das 10h às 20h
Sábados, domingos e feriados, das 10 às 18h

Sesc Avenida Paulista
Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000
Horário de funcionamento:
Terça a sexta, 10h às 21h30
Sábados, domingos e feriados, 10h às 18h30


PROGRAMAÇÃO

ABERTURAS DAS EXPOSIÇÕES

27 DE MAIO
18h | Abertura no Sesc Avenida Paulista.
Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000.

04 DE JUNHO
17h | Abertura no Centro Cultural São Paulo.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000.

 

CONFERÊNCIAS

27 DE MAIO
20h – 22h | CONFERÊNCIA DE ABERTURA
Entre Calvino e Ferrigno: as memórias do corpo na cidade invisível da Preta Quitandeira – com Joice Berth
Retirada de ingresso com 30 minutos de antecedência.
Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

Partindo de uma análise da emblemática obra de Antonio Ferrigno, Preta Quitandeira (1900), atravessada pelas cidades peculiares de Ítalo Calvino, Joice propõe uma reflexão guiada pelas percepções de Beatriz Nascimento sobre o percurso do corpo negro, com suas memórias transatlânticas ainda presentes, pelas suposições da epigenética, cocriando uma cidade à parte, que resiste porque parte, primeiramente, do conceito de corpo-território.

Joice Berth é arquiteta e urbanista, psicanalista em formação e escritora. Participou como jurada no Prêmio de Arquitetura do Instituto Ruy Ohtake/Akzonobel/IAB. Cria conteúdo para redes sociais e plataformas como o portal Terra, Elle Brasil, Glamurama, sobre temas de conscientização de questões sociais, desigualdades e saúde mental.

18 DE JUNHO
16h – 18h | CONFERÊNCIA INTERMEDIÁRIA
O Museu Antropocênico: arquitetura na era do trauma, resistência e cura – com Kabage Karange (Cave_bureau)
Retirada de ingresso com 30 minutos de antecedência.
Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

Os programas de pesquisa e exposição do Cave_bureau se dão sob o que eles chamam de Museu do Antropoceno. Esse título conjunto reforça a proposição da nova era geológica em que vivemos, embora de um ponto de vista decolonial. O Antropoceno é um tempo geológico que se acredita ter tido início a partir da metade do século XX, durante o qual os processos do nosso planeta têm sido profundamente alterados pela atividades humanas que ocorrem desde a Revolução Industrial. Buscamos desafiar coletivamente a concepção e operação ocidental dominante do Antropoceno, que é, na verdade, enraizada no imperialismo e no colonialismo de assentamentos atuais. A partir de uma perspectiva da narrativa oral africana, encenamos eventos de resistência natural em cavernas com diversas comunidades localizadas em torno dessas estruturas pré-históricas, para lembrar nossas antigas e recentes histórias de trauma, ao passo que começamos a imaginar novos modos arquitetônicos de cura.

Cave_Bureau é um escritório de arquitetos e pesquisadores com sede em Nairóbi que mapeia explorações em arquitetura e urbanismo na natureza. Seu trabalho aborda o contexto antropológico e geológico da cidade africana pós-colonial como forma de enfrentar os desafios de suas vidas rurais e urbanas contemporâneas.

17 DE JULHO
16h – 18h | CONFERÊNCIA DE ENCERRAMENTO
(Re)pensar as práticas – Florencia Sobrero (Taller General)
Retirada de ingresso com 30 minutos de antecedência.
Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

No Taller General abordamos as nossas motivações ou preocupações pessoais por meio da arquitetura. Durante a conferência serão desenvolvidos dois temas. Por um lado, a questão de gênero, pois é um ponto de conflito que vivenciamos dia após dia, em um contexto ultra-hegemônico e patriarcal, como o campo do design e da construção. De outro, o deslocamento e a mobilidade humana enfrentados por milhões de pessoas em trânsito pelos países da América Latina, muitas vezes sem lugar para chegar ou ficar. Cenários que nos levam a (re)pensar: quem tem a oportunidade de construir? Quais são as alternativas que temos, les arquitectes? Como você pode gerar uma contribuição para as comunidades em movimento por meio da arquitetura? A partir dessas questões, surgem os dias de construção participativa com perspectiva de gênero: Femingas, destinado a nós que nos encontramos deslocados, invisibilizados e confrontados com barreiras de acesso em termos de desenho, construção ou modificação espacial; e o Abrigo Temporário Humanx em El Juncal (fronteira norte do Equador) para pessoas em situação de mobilidade.

O Taller General é um espaço de confluência onde canalizamos a nossa prática por meio do trabalho arquitetônico. Composto por: Martín Real, arquiteto pela Puce, e mestre em Arquitetura – Projetos Integrais pela Uisek, e Florencia Sobrero, arquiteta pela UNC, mestre em Gênero e Comunicação pela Uasb. 


PERFORMANCES

04 DE JUNHO
17h30 – 18h30 | PERFORMANCE
Ponto final, ponto seguido – com Uýra
Entrada livre.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000

A ativação da mata dormente pela construção de um sistema de raízes brotantes. A vida é ensinada como um encontro de linhas – mas nada que vive é linha. São contornos dançantes, ressurgências multidirecionais dentro do caos, vindas de um centro – uma semente primária, da memória de uma anciã. São da mata, mas são urbanas também. Contemporâneas e ancestrais. (escrita por Thiago acerca de falas da Uyra – a confirmar)

Uýra é uma entidade híbrida, o entrelaçar dos conhecimentos científicos da biologia às sabedorias ancestrais indígenas. Chama as plantas por seus nomes populares e em latim, e assim evoca suas propriedades medicinais, seus gostos, seus cheiros, seus poderes. O resultado é uma compreensão complexa e intrincada da mata, um emaranhado de conhecimentos e buscas. Uýra se apresenta como “uma árvore que anda”. Nasceu em 2016, durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, quando a biólogo decidiu expandir sua pesquisa acadêmica e buscar formas de levar o debate sobre a conservação ambiental e os direitos indígenas e LGBT+ às comunidades de Manaus e seus arredores. Em aulas de arte e biologia, ou performances fotográficas, em maquiagens e camuflagens, em textos e instalações, o que Uýra faz é falar desde a floresta e com ela.

10 DE JULHO
16h – 17h | PERFORMANCE
Kiua Matamba – “A Força dos Ventos” – com Mona Rikumbi e com Mona Rikumbi e Adetayo Ariel
Retirada de ingresso com 30 minutos de antecedência.
Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP, 01311-000.

 

ATIVAÇÃO DE OBRAS

28 DE MAIO
16h – 18h | ATIVAÇÃO DA OBRA “HERANÇA + O FABULOSO INVENTÁRIO DO MEU AVÔ”
Chamamento: a cidade é sua herança – com Gabriela Leandro Pereira, Mariana Leandro Pereira, Pablo Santos e Mariana Ribeiro Pardo
Inscrições aqui.

Local: Sesc Avenida Paulista – Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo – SP,  01311-000.

Quem são as pessoas que constroem as arquiteturas que se erguem nas nossas cidades? Como a história material das obras se entrelaça com suas próprias vidas? “Chamamento” é um convite – em especial para pessoas que trabalham ou trabalharam na construção civil e seus descendentes – para criarmos novas e afetuosas notas biográficas sobre as vidas invisibilizadas pela história oficial da arquitetura. É parte do projeto “Herança + O fabuloso inventário das obras do meu avô”.

Gabriela e Mariana Leandro Pereira são irmãs. Gabriela é arquiteta e urbanista, professora na Universidade Federal da Bahia, onde realiza pesquisas sobre a cidade, interseccionadas pelos estudos raciais e de gênero. Mariana é bacharel em direito, pesquisadora independente, pós graduada em Mediação, Gestão e Resolução de Conflitos, sócia-fundadora da Tangram Diálogos e do Coletivo Dialogar. Pablo dos Santos é graduado em Redes de Computadores pela Faculdade Católica Salesiano, também estudioso de programação e banco de dados. Mariana Pardo é arquiteta e urbanista (FAUFBA), com mestrado em andamento em planejamento urbano e regional (FAUUSP). Integra os Grupos Mapografias Urbanas (SP/SP) e Corpo, Discurso e Território (SSA/BA).

05 DE JUNHO
10h30 – 12h | ATIVAÇÃO DA OBRA “ATIVAR PIEDADE”
Lá na Piedade: conversa e experimentação – com Juliana Lisboa, Renato Pontello e Dona Sandra Reis
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000,  Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000.

A partir de uma vivência na instalação Ativar Piedade, o público é convidado a adentrar a Piedade, uma comunidade marcada pela coletividade, pelas tradições do samba e pela sua conexão com a natureza, que no entanto vem sofrendo sistematicamente os efeitos da violência e um consequente processo de evasão. A ação terá a presença da moradora e benzedeira Sandra Reis, o compartilhamento de ervas medicinais colhidas na Piedade, um tour em realidade aumentada pelo trajeto da intervenção urbana e outras trocas.

Juliana Lisboa, Renato Pontello e Dona Sandra Reis fazem parte do coletivo Cidade Quintal, um laboratório de práticas urbanas que desde 2016 se dedica a fortalecer comunidades a partir da arte, do design participativo e do urbanismo.

19 DE JUNHO
17h – 18h30 | ATIVAÇÃO DA OBRA “ILUMINAI OS TERREIROS”
Roda de conversa e intervenção artística – com Jaime Lauriano e Cartografia Negra
Entrada livre.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000,  Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000.

26 DE JUNHO
16h – 18h | ATIVAÇÃO DA OBRA “ILHA EM MIM”
Arquipélago – com Carolina Clasen, Jorge Bassani e Tim (Wellington Neri)
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.

 

MESAS DE DEBATES

01 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Memória e cidade
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

A cidade como espaço construído conta a história de quem a constrói, isto é, sua autoria, e em diversas circunstâncias pode existir um “para que” foi construída, que dialoga diretamente com a demanda de sua edificação. Neste sentido, ao interrogar-se cada canto da cidade, reverbera uma memória de quem a construiu e quem ordenou sua construção. Espaços para esta escuta e reflexão são possibilidades que motivam a interação/transformação nas memórias de passado, presente e futuro.

ABERTURA
Nivaldo Andrade Arquiteto e urbanista, mestre e doutor em arquitetura e urbanismo pela UFBA. Professor Associado da Faculdade de Arquitetura e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFBA. Ex Presidente Nacional do IAB.

MEDIAÇÃO
Flávia Brito Professora na FAU USP. Bacharel e licenciada em História pela UFF, graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ, obteve o título de mestre e doutora em Arquitetura e Urbanismo pela USP. Realizou pós-doutorado na Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne no Centre d’Histoire Sociale des Mondes Contemporaines. Atualmente é conselheira suplente no Conpresp representante do IABSP.

CONVIDADOS
Igor Vicente Pesquisador no Núcleo de Acervo e Pesquisa do Theatro Municipal de São Paulo e integra a Nação do Maracatu Encanto do Pina (PE), o grupo Maracatu Ouro do Congo (SP) e o Espaço Cultural CITA (SP).

Mônica Lima Professora do Instituto de História da UFRJ, onde coordena o LEÁFRICA. Participou da redação do dossiê do Cais do Valongo a Patrimônio Mundial e do projeto Museu de Território para o IHCAB, da Prefeitura do Rio de Janeiro.

02 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Arquitetura e moradia
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

O desenvolvimento de frentes na arquitetura que ofereçam soluções às crises de habitação estruturadas pelo neoliberalismo é uma das necessidades observadas pela 13ª BIA. Todos os processos de construção precisam elencar a necessidade de morar, estipulando o direito à arquitetura em conjunto a essa necessidade, possibilitando assim a dignidade na habitação.

MEDIAÇÃO
Karina Leitão Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP). Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará – UFPA (1999), Mestrado pelo Programa de Integração da América Latina da Universidade de São Paulo – PROLAM-USP (2004) e Doutorado em Planejamento Urbano e Regional pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAUUSP (2009). Desde 2002, é pesquisadora do Laboratório de Habitação e Assentamentos Humanos da FAUUSP, que coordenou entre janeiro de 2016 e março de 2020. Tem focado suas pesquisas em Habitação Popular, Planejamento Urbano e Regional, Gestão Municipal, Políticas Públicas Urbanas e Impactos de Grandes Projetos.

CONVIDADAS
Carmen Silva liderança do Movimento dos Sem Teto do Centro (MSTC), conhecida por reivindicar o direito à moradia nos centros urbanos. Premiada pela Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas, foi candidata à vereadora de São Paulo. Grande voz atual para as lutas sociais.

Maura Cristina de Melo Silva,Graduada em Psicologia, integrante Movimento de Mulheres Negras da Bahia, Coordenadora Estadual Movimento Sem Teto da Bahia, Integrante e fundadora da Articulação de Movimentos e Comunidades Centro Antigo de Salvador, integrante representante da Bahia Despejo Zero, moradora de uma ocupação no Centro Histórico de Salvador.

08 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Corpos e territórios
Mediação: Kaísa Santos.
Convidados: Filipe Fontes e Marco Antônio Gavério.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

09 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Cartografia da desigualdade social e pandemia
Mediação: Pedro Rossi.
Convidados: Cleide Alves e Sarah Marques.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

16 DE JUNHO
18h – 20h | MESA ONLINE
A cosmogonia do capitalismo (racial)
Mediação: Carolina Piai Vieira e Thiago Ahmose.
Convidados:  Casé Angatu e Dele Adeyemo.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

 22 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Racismo ambiental
Mediação: Dulce Maria Pereira.
Convidados: Guilherme Brasil, Marina Marçal e Rodrigo Santos.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

23 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Resistência e resiliência na construção
Mediação: Luiz Antônio de Souza.
Convidados: Aisha Angéle Leandro Diéne e Ilídio Daio.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

29 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Repensando ensino e a formação de arquitetura
Mediação: Leo Name.
Convidados: Brunna Barcelos Gianordoli e Nora Zoila Lamfri.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link). 

30 DE JUNHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Culturas insurgentes e decoloniais
Mediação: Marianna Boghosian Al Assal.
Convidados: Gloria Cabral e Vivi Pozzoli.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link). 

01 DE JULHO
19h – 21h | MESA PRESENCIAL
Territórios e raça
Mediação: Gabriela de Matos.
Convidados: Kévi Donat e Marcelo Zig.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000 

03 DE JULHO
10h – 12h | MESA PRESENCIAL
Corpos, comunidade e arquitetura
Mediação: Melissa Matsunaga.
Convidados: Marion Howa e Reginaldo de Túlio.
Local: Cine Favela – Rua do Pacificador, 288, Cidade Nova Heliópolis – São Paulo – SP, 04235-230

06 DE JULHO
19h | MESA ONLINE
Tramas e costuras
Mediação: Thiago Ahmose.
Convidados: Budga Nhambiquara e Leandro Karaí Mirim Pires Gonçalves.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

 

OFICINAS

28 DE MAIO
09h – 16h30 | OFICINA
Oficina com Arquitetura na Periferia
Convidadas: Arquitetura na Periferia.
Inscrições para o público local.
Local: Espaço Alana – R. Erva do Sereno, 642 – Jardim Pantanal, São Paulo – SP, 08180-010.

O objetivo da oficina é capacitar as participantes para repetir o processo em suas casas e abrir portas para fortalecer o GT de mulheres do Jardim Pantanal e outras ações de assessoria técnica para melhoria da moradia no local. Além disso, reforçar o fato de que as mulheres podem entender melhor o espaço de suas casas, planejar e estar à frente das decisões.

Arquitetura na Periferia é uma iniciativa sem fins lucrativos que reúne e capacita mulheres para a independência de reformar e construir as próprias casas a partir de um processo de assessoria técnica. 

19 DE JUNHO
10h – 12h30 | OFICINA
Tekoá Yvy-Porã: outra forma de viver em São Paulo
Convidado: Jurandir Karai Jekupe.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Local: Aldeia Yvy-Porã – Estrada Turística do Jaraguá, Vila Jaraguá – São Paulo – SP,  02675-031. 

16 DE JULHO
14h30 – 16h30 | OFICINA
Como (re)construir moradia popular de baixo custo usando materiais locais e mão de obra disponível?
Convidado: Jac-Ssone Alerte.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Local: CCSP – Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo – SP, 01504-000.

 

TRAVESSIAS

29 DE MAIO
10h – 13h | TRAVESSIAS FOTOGRÁFICAS: EXPOSIÇÃO DAIDO MORIYAMA + 13ª BIA
Roteiro 01 – Bixiga: entre-águas (IMS)
Abertura: Daniele Queiroz e Thyago Nogueira.
Convidados: Isabella Santos e Coletivo Coletores.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: IMS Paulista – Avenida Paulista, 2424 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01310-300.

As travessias em parceria entre a 13ª Bienal de Arquitetura e a exposição Daido Moriyama: uma retrospectiva, organizada pelo Instituto Moreira Salles, têm como objetivo promover aproximações entre a fotografia feita por Moriyama e o olhar para a cidade de São Paulo. A caminhada começa na avenida Paulista, onde a exposição está em cartaz, provocando o olhar para a cidade através da fotografia, com inspirações no pensamento conceitual de Moriyama. Ao longo do trajeto seguinte, os participantes são convidados a conhecer a história do lugar e a criar suas próprias imagens. O bairro do Bixiga concentra importantes cursos d’água como o Saracura e o Itororó. Por se tratar de uma região entre rios, foi marcante a presença dos povos originários na cidade. A memória do Saracura também tem grande relevância porque a sua margem abrigou um quilombo e a escola de samba Vai-Vai. A travessia proposta seguirá o curso dos rios, passando pela região do Teatro Oficina (Parque do Bixiga) até o Vale do Anhangabaú, onde os dois rios desaguam.

CONVIDADOS
Thyago Nogueira Curador e editor. Dirige o departamento de Fotografia Contemporânea do Instituto Moreira Salles e é editor-chefe da revista ZUM. É curador da Exposição Daido Moriyama: uma retrospectiva, organizada pelo Instituto Moreira Salles.

Daniele Queiroz Curadora-assistente de Fotografia Contemporânea no Instituto Moreira Salles. Fundadora da plataforma e grupo de estudos “A história é outra”, que estuda mulheres fotógrafas e metodologias decoloniais de aproximação à imagem. É assistente de curadoria da Exposição Daido Moriyama: uma retrospectiva, organizada pelo Instituto Moreira Salles.

Isabella Santos – Sampa Negra

Coletivo Coletores Formado em 2008 na periferia da Zona Leste da Cidade de São Paulo pelos artistas e pesquisadores Toni Baptiste e Flávio Camargo, tem como proposta pensar as cidades como meio e suporte para suas ações utilizando diferentes linguagens visuais e tecnológicas, discutindo temáticas ligadas às periferias, apagamentos históricos/culturais, assim como o direito à cidade. 

05 DE JUNHO
9h – 12h | TRAVESSIAS
Travessia Centro: morar e resistir (CAU/SP)
Convidado: Ricardo Luis Silva.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) – Rua Quinze de Novembro, 194, Centro Histórico de São Paulo – São Paulo – SP,  01013-000.

A cidade de São Paulo possui um dos maiores déficits habitacionais do Brasil e contava, em 2010, com mais de 30 mil imóveis vagos só no centro. Incentivos legais para a implementação de habitação social na região parecem não ser suficientes: a produção de moradia por conta do mercado imobiliário expulsa famílias de baixa renda para regiões pouco ou nada estruturadas em termos de transporte, equipamentos ou oferta de emprego. Assim, ao ocupar imóveis vagos, movimentos populares têm se estabelecido como resistência pelo direito à cidade. A travessia passa por lugares que marcam a luta por moradia, entremeada por pontos relevantes da memória do centro e discute a atuação do arquiteto frente à emergência habitacional.

CONVIDADO
Ricardo Luis Silva (Ceda el Paso) Ceda el Paso é um estúdio voltado para produções culturais, oficinas, publicações independentes e experimentações do caminhar, do urbano e seus citadinos e das infinitas leituras e dinâmicas possíveis que estão / fazem o cotidiano. Formam o estúdio Jéssica Andrade, pesquisadora de antropologia urbana e designer, e Ricardo Silva, arquiteto, professor universitário e fotógrafo.

PRODUÇÃO: Jéssica de Souza Andrade.
ESPECIALISTA: Carmen da Silva Ferreira.
RESPONSÁVEL CAU/SP: Thais Borges.
APOIO CAU/SP: Debora Sanchez, Fernanda Simon Cardoso, Renata Ballone. 

12  DE JUNHO
9h – 14h | TRAVESSIAS
Travessia Canindé: várzeas plurais (CAU/SP)
Convidado: Ricardo Luis Silva.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) – Rua Quinze de Novembro, 194, Centro Histórico de São Paulo – São Paulo – SP,  01013-000. 

15  DE JUNHO
9h – 15h | TRAVESSIAS
Travessia Liberdade: patrimônios de apagamentos (CAU/SP)
Convidado: Ricardo Luis Silva.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) – Rua Quinze de Novembro, 194, Centro Histórico de São Paulo – São Paulo – SP,  01013-000.

18  DE JUNHO
10h – 13h | TRAVESSIAS FOTOGRÁFICAS: EXPOSIÇÃO DAIDO MORIYAMA + 13ª BIA
Roteiro 02 – Centro: memória e resistências (IMS)
Abertura: Daniele Queiroz e Thyago Nogueira.
Convidados: Cartografia Negra – Raíssa Albano de Oliveira, Pedro Vinicius Alves e Carolina Piai Vieira – e Monike Raphaela.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: IMS Paulista – Avenida Paulista, 2424 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01310-300. 

26  DE JUNHO
8h30 – 17h | TRAVESSIAS
Travessia Ilha do Bororé: temporalidades (CAU/SP)
Convidado: Ricardo Luis Silva.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP) – Rua Quinze de Novembro, 194, Centro Histórico de São Paulo – São Paulo – SP,  01013-000.

05 DE JULHO
19h – 23h | TRAVESSIAS
Entre-Lugares
Convidados: Coletivo Coletores.
Roteiro: São Mateus em Movimento (19h); Igreja do Rosário dos Homens Pretos da Penha (20h20); Pátio do Colégio (21h40); Capela dos Aflitos (22h20).
Acesso livre.

16  DE JULHO
10h – 13h | TRAVESSIAS FOTOGRÁFICAS: EXPOSIÇÃO DAIDO MORIYAMA + 13ª BIA
Roteiro 03 – Peabiru: descaminhos (IMS)
Abertura: Daniele Queiroz e Thyago Nogueira.
Convidados: Casé Angatu e Georgia Niara.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: IMS Paulista – Avenida Paulista, 2424 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01310-300.


MOSTRA AUDIOVISUAL – ATRAVESSAMENTOS
Local: Instituto Moreira Salles
IMS Paulista – Avenida Paulista, 2424 – Bela Vista, São Paulo – SP, 01310-300.

07 DE JUNHO
19h – 22h | EXIBIÇÃO E DEBATE
Ôrí (Raquel Gerber)
Mediação: Raissa Albano de Oliveira.
Convidada: Tailane Machado Santos.
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

14 DE JUNHO
19h – 22h | EXIBIÇÃO E DEBATE
Mokoi tekoá petei jeguatá – Duas aldeias, uma caminhada (Germano Benites, Ariel Duarte Ortega, Jorge Ramos Morinico)
Mediação: Pedro Vinícius Alves.
Convidado: Márcio Mendonça Boggarim.
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

21 DE JUNHO
19h – 22h | EXIBIÇÃO E DEBATE
Para onde voam as feiticeiras (Carla Caffé)
Mediação: Viviane de Andrade Sá.
Convidados: Ave Terrena, Carla Caffé e Thata Lopes.
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

03 DE JULHO
16h – 17h40 | EXIBIÇÃO REPRISE
Para onde voam as feiticeiras (Carla Caffé)
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

18h – 19h10 | EXIBIÇÃO REPRISE
Mokoi tekoá petei jeguatá – Duas aldeias, uma caminhada (Germano Benites, Ariel Duarte Ortega, Jorge Ramos Morinico)
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

19h30 – 21h10 | EXIBIÇÃO REPRISE
Ôrí (Raquel Gerber)
Retirada de ingressos 1h antes da exibição.

           

NÚCLEOS EM REDE

29 DE MAIO
14h | OFICINA
Oficina de intervenção Prototype City São Paulo
Aberta para a comunidade local. Entrada livre.
Local: Escola Estadual Professor Fernandes Soares – R. Erva do Sereno, 135 – Jardim São Martinho, São Paulo – SP, 08180-010.

05 DE JUNHO
14h | EVENTO
Celebração Prototype City São Paulo
Aberta para a comunidade local. Entrada livre.
Local: Escola Estadual Professor Fernandes Soares – R. Erva do Sereno, 135 – Jardim São Martinho, São Paulo – SP, 08180-010.

09 DE JUNHO
9h – 11h | OFICINA
Oficina de construção do Parque Naturalizado
Convidados: Guilherme Blauth e equipe Ciranda da Vida.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Local: Rua Kumaki Aoki, 1390 – Jardim Helena, São Paulo – SP, 08090-370 (Portaria principal).

11 DE JUNHO
9h – 13h | EVENTO
Inauguração do Parque Naturalizado
Abertura: Ana Seabra e Leila Vendrametto.
Entrada livre.
Local: Rua Kumaki Aoki, 1390 – Jardim Helena, São Paulo – SP, 08090-370 (Portaria principal).

14h30 – 15h15 | TRAVESSIAS
Show da Banda Alana
Entrada livre.
Local: Rua Kumaki Aoki, 1390 – Jardim Helena, São Paulo – SP, 08090-370 (Portaria principal).

28 DE JUNHO
19h – 21h | EXIBIÇÃO E DEBATE
Lançamento do filme Prototype City São Paulo
Convidados: Alessandro Columbano, Anna Parker, Andrea Amato, Bruna Almeida, Camila Audrey, Danilo Hideki, Laís Avelino e Leila Vendrametto.
Entrada livre.
Local: IABsp – Rua Bento Freitas, 306, República – São Paulo – SP, 01220-000.

07 DE JULHO
19h – 21h | MESA ONLINE
Lançamento da 1ª Fase do Plano de Bairro do Jardim Pantanal
Mediação: Hannah Arcuschin Machado.
Convidados: Alex Abiko, Arlete Pescarolo, Leila Vendrametto, Marcos Gadelho e Simone Gatti.
Transmissão online no canal do IABsp no youtube (link).

08  DE JULHO
19h – 21h | EXIBIÇÃO E DEBATE
Lançamento do filme Prototype City São Paulo
Convidados: Coletivo CoCriança, IABsp e Instituto Alana.
Aberta para a comunidade local. Entrada livre.
Local: Espaço Alana – R. Erva do Sereno, 642 – Jardim Pantanal, São Paulo – SP, 08180-010.

09 DE JULHO
09h – 12h | TRAVESSIAS
Pedalada e Inauguração da Rota Cicloturística – Plano de Bairro do Jardim Pantanal
Convidado: Rogério Rai.
Inscrições prévias pelo site da Bienal de Arquitetura.
Ponto de encontro: Estação Itaim Paulista da CPTM – Linha 12 Safira (saída para a Rua Cordão de São Francisco).