13ª

Ministério do turismo, secretaria especial da cultura e belgo bekaert arames apresentam

Voltar à programação

13 de julho

Natureza e Reconstrução Entrada livre.

Local: Japan House - Av. Paulista, 52 - Bela Vista, São Paulo - SP, 01310-900
Mesa Presencial

EXIBIÇÃO DE CURTAS – TRAMAS & COSTURAS

(Re)Florescer a Boa Vista – Projeto de conservação Boa Vista e Coelhos (2021). Isabelly Lima de Santana Sales, Eduarda Vitória Santos Cavalcanti de Albuquerque, Alan Costa Damásio, Bianca Nascimento Fidelis, Eduarda de Paula Da Silva. Duração do vídeo – 3:05 min.

Uma casa do fogo no centro da universidade (2022). Maylson de Alencar Barbosa, Bárbara Carneiro Servidone, Fernanda Pereira Theodoro , Maria Isabel Magalhães Tavares de Oliveira, Giovanna Strengari Nanci Fluminhan, Nath Cordeiro da Silva, Paulo Jeremias Aires,  Leandro Karaí Mirim Pires Gonçalves. Duração do vídeo – 3:00 min.

CSD Ocupa (2022). Silvio Barini Figueira Pinto, Elo Guazzelli, Wagner Dias dos Santos. Duração do vídeo – 3:00 min.

 

MEDIAÇÃO

A confirmar

 

CONVIDADOS

Atsunobu Katagiri Artista de plantas japonês, que vive e trabalha em Osaka, Japão. Em seu trabalho emprega várias plantas desde pequenas gramíneas silvestres até árvores de grande porte, como as cerejeiras. É conhecido por sua abordagem contemporânea no uso de plantas e flores, que pode ser vista em muitos de seus trabalhos, como no projeto “Sacrifício”, resultado de sua experiência como artista convidado para o “Hama- dori, Naka-dori, & Aizu Tri-Regional Culture Collaboration Project” organizado pela Agência de Assuntos Culturais do governo japonês. Na ocasião, ele residiu na cidade de Minamisoma, na província de Fukushima, e ficou impressionado com o vazio assombroso das paisagens e as casas destruídas, mas também notou ali o crescimento de ervas daninhas, campos de flores selvagens e jardins que haviam ultrapassado o limite de propriedades. Apesar de suas emoções conflitantes, o ressurgimento da natureza o acalmou, começou a coletar flores e produzir arranjos e instalações em meio às ruínas, numa atitude de “regenerar as vozes da terra”. Katagiri entende a fragilidade das flores e da vida humana como algo semelhante e seu trabalho mostra que após dois anos de distanciamento social forçado, o contato com a natureza se mostra cada vez mais necessário.

 

A confirmar